Proprietária de quiosque com perda diária de cerca de 60% de lucro desde primeiros casos de covid-19

Desde que Timor-Leste aplicou o estado de emergência, provocado pelo surto pandémico do novo coronavírus, houve uma redução significativa no poder de compra, contribuindo, desta forma, para, em alguns casos, uma perda diária de cerca 60% do lucro. (Foto: STL/Domingas Gomes)

DÍLI, STLNEWS.co – Desde que Timor-Leste aplicou o estado de emergência, provocado pelo surto pandémico do novo coronavírus, houve uma redução significativa no poder de compra, contribuindo, desta forma, para, em alguns casos, uma perda diária de cerca 60% do lucro.

É o caso de Rita Babo Horta, proprietária do quiosque Ani Lala, que falou ao STL, no terminal de Tasitolu, em Díli, na passada quinta-feira (08/10).

“O impacto desta pandemia foi fortíssimo, o que provoca uma redução significativa no rendimento face aos períodos anteriores à covid-19”, disse Rita Horta.

Segundo a proprietária, houve uma redução de cerca de 60% no rendimento durante a aplicação do estado de emergência.

“Antes da covid-19, conseguia diariamente ganhar cerca de 50 dólares americanos. No entanto, durante o estado de emergência, recebo apenas 20 dólares por dia”, afirmou.

Para Rita, a situação atual que o país está a viver é “muito difícil, sobretudo para as microempresas”.

Acrescentou que tinha de deitar fora todos os produtos que se encontram fora do prazo de validade.

“O volume de vendas diminuiu desde que surgiram os primeiros casos ativos em Timor-Leste, no início de março de 2020”, lembrou, mostrando-se, por fim, esperançada de que o vírus possa ser brevemente eliminado para que a situação volte à normalidade.

Reportagem: Domingas Gomes
Editora: Equipa STL

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here